Morte de um caixeiro viajante

Foto: Jorge Gonçalves

Morte de um caixeiro viajante, encenação de Jorge Silva Melo do texto de Arthur Miller, chega à Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II a 26 de Maio, onde estará em cena até dia 5 de Junho.
Uma tragédia moderna do cidadão comum, que encontra na impotência do fracasso a derradeira violência, Morte de um caixeiro viajante foi escrita no imediato pós-guerra, em 1949, e é um sentido Requiem por uma sociedade que se baseia no triunfo individual, na competição e na exploração. Passada nos Estados Unidos da América, nos anos 1940, é um dos retratos mais magoados do Sonho Americano.